Quando irá o Kuwait abolir o Artigo 153?

caret-down caret-up caret-left caret-right
"O bom exemplo é facilmente seguido", é um dos muitos ditados em língua neerlandesa. No Kuwait, as pessoas não conhecem esta velha expressão holandesa e valorizam principalmente os conhecimentos encontrados nos antigos livros "sagrados". É por isso que as autoridades kuwaitianas introduziram uma vez artigos da lei 153 e 182, que estão exactamente de acordo com os escritos "sagrados". O resultado é uma pena de prisão particularmente baixa, de apenas 3 anos e/ou uma multa baixa de 39 euros por matar uma esposa, filha ou irmã quando ela fez algo de errado, tal como cometer adultério.

As autoridades kuwaitianas estão a lutar para seguir o bom exemplo da Síria, dos Emirados Árabes Unidos, da Tunísia e do Líbano, que já optaram por abolir este tipo de leis especiais injustas destinadas a baixar as penas por matar ou maltratar mulheres. Estes países argumentaram que queriam alinhar mais as suas leis com as da comunidade internacional.

Activistas dos direitos humanos salientam que a hipótese de ser apanhado e o nível de punição percebido desempenham um papel na prática de homicídios por honra. No Irão, há histórias de pais que consultaram um advogado criminal antes do assassinato da sua filha para obter confirmação de que a pena por matar uma filha é de apenas 3 anos.

Se as autoridades do Kuwait e do Irão quiserem realmente combater eficazmente os homicídios por honra, é necessário que primeiro abolam todas as leis especiais destinadas a proteger os homicidas por honra de receberem sentenças justas.

O que é um homicídio de honra?

Um homicídio em nome da honra é um homicídio em nome da honra. Se um irmão assassina sua irmã para restaurar a honra da família, é um homicídio de honra. Segundo os ativistas, as razões mais comuns para homicídios de honra são como vítima:

Perguntas sobre homicídios de honra

  • refusa-se a cooperar em um casamento arranjado.

  • quer acabar com a relação.

  • foi vítima de estupro ou agressão sexual.

  • foi acusado de ter uma relação sexual fora do casamento.

Ativistas dos direitos humanos acreditam que 100.000 assassinatos de honra são realizados a cada ano, a maioria dos quais não são relatados às autoridades e alguns são até deliberadamente encobertos pelas próprias autoridades, por exemplo, porque os perpetradores são bons amigos dos policiais locais, funcionários ou políticos. A violência contra meninas e mulheres continua sendo um problema sério em Paquistão, Índia, Afeganistão, Iraq, Síria, Iran, Sérvia e Turquia.

Posted in homicídio de honra, Inovação, Investigação and tagged , .